Distratos causam impacto negativo no resultado de incorporadoras


chaveCom aumento das incertezas políticas e da queda da economia brasileira vários negócios realizados acabam encontrando barreiras para sua manutenção, principalmente por parte do consumidor que, endividado, vê o crédito necessário à manutenção de suas contas cada vez mais difícil e caro.

Na construção civil isso tem gerado uma grande procura por dissolução de negócios imobiliários já realizados através da figura jurídica do distrato.

Distrato é um contrato que tem por finalidade extinguir as obrigações estabelecidas em um contrato celebrado anteriormente.

Apesar de essa figura jurídica estar prevista no ordenamento e fazer parte do dia a dia das incorporadoras, o crescimento vertiginoso por essa modalidade de resolução de negócio tem refletido negativamente nos balanços das incorporadoras.

Segundo a materia do jornal Valor Econômico de 05/03/2016, o Instituto dos Auditores Independentes do Bracon (Ibrecon) orientou que as empresas fizessem provisões para distratos em seus balanços, o que levou à postergação de algumas divulgações e gerou forte impacto negativo nos resultados do quarto trimestre de 2015.

É importante que tanto compradores quanto construtoras e agentes financeiros avaliem bem no momento de fechar o negócio. Não é raro distratos acabarem em prejuízo principalmente se o contrato que o origina contiver falhas ou for redigido sem as mínimas garantias às partes envolvidas.

A melhor forma de ter um distrato satisfatório, ou seja, com menor prejuízo possível à construtora, é possuir um contrato bem feito.

Veja mais em:

DISTRATO  – Como Proceder na Hora de Desfazer uma Venda Por Desistência do Comprador

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *